Nova lei do saneamento pode impulsionar produção de biogás em estações de tratamento de esgoto

Por Ana Freitas

12 de agosto de 2021.

Usina de biogás. Foto: Reprodução/Aggreko.

A nova lei de saneamento pode impulsionar o setor de biogás no Brasil e, consequentemente, modernizar a matriz energética.

A nova legislação melhorou a segurança jurídica e abriu o setor para participação de empresas privadas no tratamento de esgotos no Brasil.

Desta forma, pretende-se reduzir o “gap” do serviço de fornecimento de água potável e, principalmente, da coleta e tratamento de esgoto doméstico. A meta é garantir que 99% da população tenha acesso à água potável e 90% tratamento de esgoto até 2033.

Mas o que a lei de saneamento tem a ver com biogás e matriz energética brasileira? 

O biogás, tanto como fonte energética quanto como insumo para biometano, pode ser aliado na universalização do esgotamento sanitário, pois reduz os gastos com energia elétrica do sistema de tratamento de esgoto (um dos maiores gastos na atividade), trazendo inclusive receita adicional para unidades de maior porte.

Já existem alguns exemplos no Brasil de projetos de recuperação energética do biogás de esgoto doméstico, mas na Europa, em especial na Alemanha, a questão já está bem mais avançada. 

Em um cenário de maior concorrência entre provedores do serviço de tratamento de esgoto sanitário, o biogás surge como um meio de agregar valor às estações de tratamento de esgoto, manter a qualidade das águas dos rios e dos aquíferos e, não menos importante, produzir energia limpa e renovável.

A conjugação do tratamento de esgoto e aproveitamento energético do biogás é uma forma sustentável de tratamento, cujos resíduos finais teriam, alternativamente, disposição final inadequada. 

A concentração de metano no biogás varia de 50% a 70%. As principais aplicações do biogás são a geração direta de calor, geração de energia elétrica e utilização de biogás purificado na forma de biometano, que pode ser utilizado em injeção em redes de gás natural e/ou uso veicular.

Ana Freitas

Uma dos especialistas do time do Árvore do Futuro, Ana Freitas é geóloga e engenheira ambiental.