Pecuária pode gerar crédito de carbono: estudo apontou créditos equivalentes aos gerados por 6 árvores

Por Evellyn Lima

16 de julho de 2021.

Foto: Reprodução/JBS.

Com o índice de 3,3 bovinos por hectare (a 450 kg cada) mais a recuperação da pastagem degradada, a produção pecuária de uma fazenda de São Paulo teve suas emissões de gases do efeito estufa neutralizadas, e ainda gerou tantos créditos de carbono (CO2) quanto 6,27 árvores de eucalipto fariam. 

Os resultados são de um experimento da Embrapa Pecuária Sudeste.

Além de mitigarem as emissões de CO2 e melhorarem sua captura, a recuperação das pastagens e a intensificação da produção tem efeito poupa-terra, o que é uma ótima notícia para o meio ambiente.

Nesse experimento da Embrapa, “os sistemas de produção intensificados com média lotação animal apresentaram os melhores resultados, especialmente se computados os insumos”, explica a pesquisadora e engenheira agrônoma Patrícia Perondi Anchão Oliveira.

Este não é um caso isolado. Um ótimo exemplo é a produção de uma fazenda no Maranhão que utiliza a técnica de lavoura-pecuária-floresta e conseguiu mais que quadruplicar a produção (em arrobas) e diminuir as emissões, inclusive zerando as emissões de metano (conversamos em nosso podcast com o zootecnista da Embrapa que trabalha nessa fazenda, e também escrevemos sobre).

O futuro da alimentação sustentável não precisa excluir quem come carne ou bebe leite. Cientistas e produtores estão trabalhando para que alimentos mais sustentáveis cheguem à sua mesa.